quinta-feira, 24 de março de 2011

Sob risco de desastre ambiental, construção de usina hidrelétrica no PR entra em fase de finalização






Por Edson Osvaldo Melo

Com o lançamento da última carga de concreto compactado na sua barragem, as obras de construção da Usina Hidrelétrica Mauá, no rio Tibagi, em Telêmaco Borba, município a 245 km de Curitiba (PR), entraram nesta semana em fase de finalização.

De acordo com prazos estabelecidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ao Consórcio Energético Cruzeiro do Sul (integrado pelas empresas estatais Eletrosul e Copel), responsáveis pela execução das obras, a usina deve entrar em operação comercial no segundo semestre de 2011.

Quando em operação, a Usina Hidrelétrica Mauá terá uma potência instalada total de 361 megawatts (MW) – suficiente para atender ao consumo de um município com 1 milhão de habitantes. O custo de sua construção está estimado em torno de R$ 1 bilhão.

Por diversas vezes, organizações não-governamentais e ambientalistas tentaram barrar a construção na justiça, alegando que a área a ser alagada pertence aos índios Kaingangs e Guaranis que vivem há anos na região.

Os ambientalistas também alertaram para o fato de que existem na área a ser alagada 26 minas de carvão abandonadas que, se inundadas, irão contaminar a água do futuro lago. O rio Tibagi fornece água para 42 municípios da região. Será um verdadeiro desastre ambiental.

Em 20 de janeiro de 2009, o juiz substituto Alexei Alves Ribeiro concedeu liminar suspendendo as obras da usina em atendimento a ação movida pela organização não-governamental (ONG) Liga Ambiental.

Mas os advogados do Consórcio Cruzeiro do Sul conseguiram derrubar a medida em 3 de março daquele ano, por meio de uma decisão da desembargadora Silvia Maria Gonçalves Goraieb, da Justiça Federal em Porto Alegre.

Barragem

A barragem da Usina Hidrelétrica Mauá, possui 745 metros de comprimento na crista e 85 metros de altura máxima. A quantidade de concreto utilizado para formar o seu maciço passou de 630 mil metros cúbicos, suficiente para construir mais de dez estádios iguais ao Maracanã, no Rio de Janeiro. Iniciado em agosto de 2009, o trabalho de construção da estrutura – incluindo o período de ensecamento e de preparação do leito do rio e da margem esquerda - durou 19 meses.

Após a inauguração, a barragem também servirá como ponte para a transposição do rio Tibagi, com pista de mão dupla e passagem para pedestres, ligando os municípios de Telêmaco Borba e Ortigueira (PR).

FIM

Nenhum comentário: