quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Elections in Brazil and the US Intelligence Community

Este artigo mostra como os serviços secretos norte-americanos estão ajudando a campanha de José Serra.


*LEIA A TRADUÇÃO LOGO ABAIXO


Por Nil Nikandrov


It seemed suspicious recently that Washington which tends to denigrate the “immature” democracies of Latin America and the Caribbean without restraint made serious efforts to demonstrate respect for Brazil. G. Bush's Administration bracketed as “immature” the Latin American states with populist regimes and, generally, any countries showing a measure of defiance defending their national interests under the US pressure. Brazil never allowed to call its right to sovereignty and independent position in international politics into question over the eight years of Luiz Inácio Lula da Silva's presidency, and it was widely expected that G. Bush's Administration would eventually run out of patience and try to tame the Brazilian leader. Nothing of the kind happened, though, evidently because the US felt too burdened with problems with Venezuela to get locked in an additional conflict in Latin America.

Talking to the diplomats and intelligence agents at the US Embassy in Brazil in March, 2010, US Secretary of State H. Clinton stressed: “In the Obama Administration, we are trying to deepen and broaden our ties with a number of strategic countries and Brazil is at the top of the list. This is a country that really does matter. And it’s a country that is trying very hard to fulfill its promise to its own people of a better future. And so, together, the United States and Brazil have to lead the way for the people of this hemisphere.”

It is noteworthy that H. Clinton credited Brazil with nothing less than the right to show the way to other nations, albeit hand in hand with Washington. For the latter, the way is to suppress any socialist initiatives across the continent, to abstain from joining regional integration projects unless they are patronized by the US, to oppose the populists' efforts aimed at forming a Latin American defensive bloc, and to impede the escalating Chinese economic expansion.

The US appointed former head of Department of State's Bureau of Western Hemisphere Affairs and a diplomatic heavyweight with a hawkish reputation Thomas A. Shannon as a new ambassador to Brazil on the eve of the elections in the country. He tried hard to convince Brazil's president to align the country with the US and to adopt less independent policies internationally. Washington offered Brazil perks like wider cooperation in renewable fuel production, consented to establishing a division of Boeing in the country, and signed a number of deals with the Brazilian defense industries including the commission of 200 Toucan aircrafts for the US airforce.

President da Silva has not given in. He stubbornly maintained the partnership with H. Chavez and J. Morales, showed up in Havana and Tehran, condemned the pro-US coup in Honduras, and even pledged to develop a national nuclear energy sector. He proposed Dilma Rousseff – a candidate one would expect to steer a similarly independent course - as his successor. Alarmingly for Washington, Rousseff used to be close to the communist party and was a member of the Vanguardia Armada Revolucionaria - notably, with the pseudonym of Jeanne d'Arc- in the 1970ies. She was betrayed by a government agent, arrested, tortured using the CIA methods taught at the School of the Americas, and had to spend three years in jail. Consequently, even decades later Rousseff is not the person realistically expected to be a big fan of the US.

Rousseff's campaign gradually gathered momentum and polls started giving her a place in the race ahead of the rightists' candidate José Serra. US-friendly journalists and CIA agents probed into her readiness to forge a secret deal with Washington and predictably found out that the plan stood no chance as Rousseff firmly pledged allegiance to president da Silva's course. The CIA reacted by attempting to smear Rousseff, and the media immediately floated a myth about her extremism. They unearthed police informants who posed as “witnesses” of her involvement in bank robberies meant to grab money to support terrorism in Brazil. The conservative media waged a war of ratings and touted in a chorus the pro-US José Serra as the uncontested front-runner and Rousseff – as a purely nominal rival. The situation nevertheless stabilized and Rousseff eventually emerged as the campaign leader thanks to president da Silva's personal support.

Rousseff's score fell 3-4% short of making her the winner in the first tour of the elections. The outcome of the runoff will largely depend on the supporters of the Green Party's Marina Silva Vaz de Lima who polled third in the elections with 19% of the vote. The battle over the supporters of the Green Party in underway, and Shannon's shadowy team will no doubt do its best to broker an alliance between Serra and Silva.

Rousseff's flock visibly shed their initial triumphalism – the runoff is a difficult game, and their candidate's opponents are implicitly backed by the powerful and resourceful Empire which is known to have routinely propelled hopeless candidates to victory. Brazil's media – the O'Globo media holding, the Abril publishers, influential papers like Folha de Sao Paulo, and the Veja magazine - are busily brainwashing the country's electorate.

Shannon's team is facing the mission of helping “fresh forces” less prone to defiance in dealing with Washington get a grip on power in Brazil. From this standpoint, just the right player is the Green Party where the CIA agents have long gained serious positions as the US was traditionally interested in the ecological problems of the Amazon basin. At the moment the CIA is courting the Greens' leaders and activists and, parallelly exacting promises of positions for them in the coming government from Serra's campaign managers. Washington must be doing a rush job considering that Silva and her entourage plan to decide on October 10 on which side of the scales to throw their weight in the runoff. Rousseff, on the other hand, also has the potential to attract the Green Party's supporters considering that Silva was a member of president da Silva's government till 2008.

The CIA employs former Brazilian policeman fired from their posts for various reasons to do the field work like surveillance, apartment penetrations, computer data thefts, and blackmail. In the majority of cases, these are individuals with ultra-rightist leanings who regard Serra as their candidate. Brazil's ministries, intelligence community, and military-industrial complex are heavily infiltrated by US agents. The US Embassy and consulate staff in Brazil includes some 40 CIA, DEA, FBI, and army intelligence agents, and Washington plans to open 10 new consulates in Brazil's major cities such as Manaos in Amazonia.

While the US Department of State is downsizing the diplomatic representation worldwide in an effort to to cut budgetary spending, Brazil remains an exception from the rule. The country has a potential to establish itself as a geopolitical counterforce to the US in the western Hemisphere withing the coming 15-20 years and the US Administrations – under Republicans and Democrats alike – are preoccupied with the task of preventing it from taking the role.

Copyright 2010 © Strategic Culture Foundation

Article republishing is welcomed under the condition of a direct hyperlink to “Strategic Culture Foundation” online journal (www.strategic-culture.org).

TRADUÇÃO

Eleições no Brasil e a comunidade de Inteligência dos Estados Unidos

Pareceu suspeito quando recentemente, Washington, que tende a depreciar as "imaturas" democracias da América Latina e Caribe sem restrições, tenha feito sérios esforços para demonstrar respeito pelo Brasil. A administração G. Bush enquadrou como "imaturos" os estados latino-americanos com regimes populistas e, em geral, todos os países que desafiem a pressão dos EUA para defender os seus interesses nacionais. O Brasil nunca permitiu que se discutisse o seu direito à soberania e à posição de independência na política internacional ao longo dos oito anos da presidência de Luiz Inácio Lula da Silva, e era amplamente esperado que a administração G. Bush acabaria por perder a paciência e tentar domar o líder brasileiro. Mas nada disso aconteceu, evidentemente porque os EUA se sentiu sobrecarregado demais com problemas com a Venezuela para estar envolvido em um conflito adicional na América Latina.

Falando a diplomatas e agentes de inteligência na Embaixada dos EUA no Brasil em março de 2010, a Secretária de Estado dos EUA H. Clinton enfatizou: "na administração Obama, estamos tentando aprofundar e alargar as nossas relações com um certo número de países estratégicos e o Brasil está no topo da lista. Este é um país que realmente importa. E é um país que está tentando firmemente cumprir sua promessa ao seu povo de um futuro melhor. E assim, juntos, os Estados Unidos e o Brasil tem que liderar o caminho para os povos deste hemisfério."

Vale ressaltar que H. Clinton reconheceu no Brasil nada menos do que o direito de mostrar o caminho para outras nações, embora de mãos dadas com Washington. Para esta última, o caminho é o de suprimir as iniciativas socialistas em todo o continente, se abster de apoiar projetos de integração regional a menos que sejam patrocinados pelos EUA, opor-se aos esforços populistas que visam a formação de um bloco latino-americano de defesa e impedir a escalada da expansão econômica chinesa.

Os EUA nomeou o ex-chefe do Bureau de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado Thomas A. Shannon - um peso pesado da diplomacia com reputação de falcão - como novo embaixador para o Brasil às vésperas das eleições no país. Ele se esforçou para convencer o presidente do Brasil a alinhar o país com os EUA e a adotar políticas menos independentes na arena internacional. Washington ofereceu vantagens ao Brasil como maior cooperação na produção de combustíveis renováveis, consentiram em que estabelecesse uma divisão da Boeing no país, e assinou uma série de acordos com as indústrias de defesa brasileira, incluindo a nogociação de 200 aviões Tucano para a Força Aérea dos EUA.

O presidente Lula da Silva não entrou nessa. Ele teimosamente manteve a parceria com a H. Chavez e Morales, desfilou em Havana e Teerã, condenou o golpe pró-EUA em Honduras, e até mesmo se comprometeu a desenvolver o setor de energia nuclear nacional. Ele propôs Dilma Rousseff - uma candidata de que se pode esperar que trilhe um caminho igualmente independente - como sua sucessora. E, alarmante para Washington, Dilma costumava ser próxima do Partido Comunista e foi membro da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR Palmares) - com o peculiar pseudônimo de Joana d'Arc - nos anos 70. Ela foi traída por um agente do governo, presa, torturada usando os métodos que a CIA ensinou na Escola das Américas, e teve que passar três anos na cadeia. Por isso, mesmo décadas depois Rousseff não é uma pessoa de quem se possa esperar que seja uma grande fã dos EUA.

A campanha de Dilma ganhou força gradualmente e as sondagens começaram a dar-lhe um lugar na corrida à frente do candidato de direita José Serra. Jornalistas amigos dos EUA e agentes da CIA sondaram a sua disponibilidade para firmar um acordo secreto com Washington e como era previsível descobriu que o plano não tinha chance pois Dilma Rousseff resolutamente garantiu fidelidade ao caminho seguido pelo presidente Lula. A CIA reagiu tentando difamar Dilma, e os meios de comunicação de imediato lançaram um mito sobre o seu extremismo. Encontraram informantes da polícia, que posaram como "testemunhas" de seu envolvimento em assaltos a banco na intenção de pegar o dinheiro para apoiar o terrorismo no Brasil. A mídia conservadora travou uma guerra de pesquisas e elogiando em coro o candidato pró-EUA José Serra como o inconteste favorito e Dilma - como uma rival puramente nominal. A situação, no entanto, estabilizou e Dilma Rousseff finalmente emergiu como a líder da campanha, graças ao apoio pessoal do Presidente Lula.

Faltaram 3-4% de votos a Dilma para fazê-la vencedora do primeiro turno das eleições. O resultado do segundo turno dependerá em grande parte dos adeptos do Partido Verde, Marina da Silva Vaz de Lima, que teve a terceiro votação nas eleições, com 19% dos votos. A disputa pelos apoiadores do Partido Verde está em andamento, e o time secreto de Shannon fará sem dúvida de tudo para conseguir uma aliança entre Serra e Marina Silva.

Os apoiadores de Dilma visivelmente diminuíram seu triunfalismo inicial - o segundo turno é um jogo difícil, e os adversários de sua candidata têm total apoio do império poderoso e cheio de recursos, que é conhecido por ter impulsionado rotineiramente candidatos sem esperança para a vitória. A mídia no Brasil - o império de mídia do O Globo, as revistas da Abril - sobretudo a Veja -, influentes jornais como a Folha de S. Paulo - estão diligentemente fazendo lavagem cerebral no eleitorado do país.

A equipe de Shannon está encarando a missão de ajudar "novas forças" - menos propensas a desafiar Washington - a obter controle sobre o poder no Brasil. Desse ponto de vista, o ator certo é o Partido Verde, onde os agentes da CIA há muito tempo conquistaram posições chave, já que os EUA são tradicionalmente interessados nos problemas ecológicos da bacia amazônica. No momento a CIA está cortejando líderes e ativistas verdes e paralelamente exigindo promessas de cargos para eles no próximo governo diretamente aos gestores da campanha Serra. Washington deve estar trabalhando com urgência, considerando que Marina Silva e seu grupo planejam decidir em 10 de outubro de que lado da balança vão lançar o seu peso no segundo turno. Dilma Rousseff, por outro lado, também tem o potencial de atrair simpatizantes do Partido Verde, considerando-se que Marina Silva era um membro do governo do presidente Lula até 2008.

A CIA emprega ex-policiais brasileiros demitidos de seus cargos por várias razões para fazer o trabalho de campo como vigilância, invasões de domicílio, roubos de dados de computador e chantagem. Na maioria dos casos, estes são indivíduos com tendências ultra-direitistas que consideram Serra como seu candidato. Ministérios do Brasil, a comunidade de inteligência e o complexo militar-industrial estão fortemente infiltrados por agentes dos EUA. A embaixada dos EUA e o pessoal dos consulados no Brasil inclui cerca de 40 agentes de inteligência da CIA, DEA, FBI e do exército - o us army - e têm planos para abrir 10 novos consulados nas principais cidades do Brasil, como Manaus na Amazônia.

Embora o Departamento de Estado dos EUA venha reduzindo o tamanho da representação diplomática no mundo em um esforço para cortar despesas orçamentárias, o Brasil continua sendo uma exceção à regra. O país tem potencial para se estabelecer como um contrapoder geopolítico para os EUA no Hemisfério Ocidental dentro dos próximos 15-20 anos e as administrações dos EUA - sejam republicanas ou democratas - estão preocupadas com a tarefa de impedi-lo de assumir o papel.

Nenhum comentário: